Sinopse: A Academia Luziense de Letras e Artes de Santa Luzia – ALUZ – fundada em 2016, atualmente composta por 38 acadêmicos, lança sua terceira produção literária: Vinte e um olhares sobre a humanidade.


Essa produção literária é um conjunto de textos regido sobre a percepção de um sistema universal, capitalista, desigual, patriarcal. Onde fios tecem páginas questionadoras sobre os registros humanos: “realmente a humanidade se originou dos húmus da terra” e está ameaçada pelo chamado Ponto Zero?


“Estamos contidos entre o céu e o solo...Entre o berço e o túmulo ” e nada podemos fazer? Como fios que se entrelaçam a coletânea vai tecendo reflexões sobre os caminhos do amor e desamor que formam a teia que protocola as demandas humanitárias. E Os Meninos de Altamira e As Meninas e o Fio de Cabelo registram sua história, não só nestas páginas, mas nos textos da Constituição vigente, cheios de códigos e de leis criadas pelos
próprios homens. “Cada um no seu compasso, cada um com a sua sombra, cada um com o seu traço. ” E quando no trajeto “um caminho se rompe, outro flui “e passamos a entender que tudo era só convenção social que nos levava a não pensar sobre um sistema educacional que substitui matérias de formação humana e não cumpre o seu papel de inclusão social. E nesse contexto, os fios vão conduzindo para a possível imagem do “homem culpado pela própria cegueira e consequente escravidão”.

 

E então A Hora do Almoço nos diz: “O tempo somente é, porque algo acontece, e onde algo acontece, o tempo está. E lá fora é preciso fazer o mundo que se acredita, pois, a força da alienação vem da fragilidade dos
indivíduos que só enxergam o que os separa e não o que os une. ” E essa ponta de fio puxa a ponta de fio tecendo o amor desumano  “A tua presença preenchendo o vazio entre o acaso e o destino gerando vida mundana, hipocrisia” – sangue que escorre entre os orifícios do caos provocado por tantos discursos pelos palcos do mundo. Mas há também na coletânea o fio da felicidade que entra nas páginas “querendo guardar o roteiro, esquecer os caminhos, lembrar do destino e desejar boa viagem”, como uma integração ao fio que disse: “O mundo é formado não apenas pelo o que
existe, mas pelo que pode efetivamente existir. ”
Beth Bretas
Out./ 2020

Vinte e um olhares sobre a humanidade

R$37,00Preço