Em dois momentos diferentes, 2019 e 2012, Karoline Vitória de Souza e Jhonatan Kempim venceram um dos mais disputados concursos de redação do país, a Olimpíada Brasileira da Língua Portuguesa. Estudantes de escolas diferentes da cidade de Espigão d’Oeste, em Rondônia, esses alunos tiveram em comum a temática: ambos tratavam do danoso contato do homem branco com os povos indígenas. As redações premiadas foram reunidas no livro Povos além do tempo, lançado pela Páginas Editora. A redação de Jhonatan, com o título “O tempo, o chiado e as flechas”, venceu o concurso em 2012. No texto, ele narra uma situação em que uma “modernidade” inserida em uma tribo pelo homem branco provocou uma tragédia numa família indígena. Jhonatan, na ocasião, tinha 13 anos e era aluno da na Escola Municipal Teobaldo Ferreira.
Karoline é a autora da redação “Paralelo 11: do cocar vermelho ao pé de jatobá”, que venceu a Olimpíada em 2019. No texto, a adolescente, então com 13 anos, reconta a história do Massacre do Paralelo 11, ocorrido em 1963, em uma comunidade Cinta-Larga. Como o nome diz, foi um grande massacre, que dizimou os moradores dessa comunidade e deixou um trauma que atravessou os tempos. Tanto Jhonatan quanto Karoline fizeram as redações a partir de entrevistas que fizeram com pessoas mais velhas moradoras de Espigão d’Oeste. O livro tem apresentação do professor Alan Francisco Gonçalves de Souza, que foi orientador dos dois alunos quando eles fizeram as redações e ganharam a Olimpíada.

Povos além do tempo

R$36,00 Preço normal
R$30,00Preço promocional

    © 2017 Páginas Editora