De Letra em Letra

Quando me propus, há alguns anos, a escrever minhas MEMÓRIAS DE LEITURA, refleti, de maneira emotiva, sobre a complexa dimensão do universo da escrita, com o qual sempre tive grande intimidade, através da leitura de clássicos, gibis e gêneros literários diversos.


Apesar das imensas dificuldades financeiras pelas quais sempre passamos, meu processo de construção e formação humanas foi privilegiado e rico. Agradeço muito a Deus por isso!


Na convivência familiar, tive diversos modelos de leitores: letrados e não-letrados, todos importantíssimos nesta trajetória formativa. Apaixonei-me pelas letras... pelo que era escrito e se encontrava inserido em portadores de texto, mas não posso deixar de mencionar que sempre senti imenso deslumbramento pelo que não podia ser lido, através dos códigos convencionais. A diversidade pautou minha vida, sempre fértil em experiências valorosas.


Na família, havia muito o que ser lido! Desde o avô analfabeto (enciclopédia ambulante de vida), praticamente um Griot, até o pai autodidata, que “devorava” livros e jornais.


Tornei-me leitora compulsiva, leitora de letras e de vida... E deste amor pelos livros e pessoas, brotou o desejo de escrever! Para mim, os escritores eram espécies de divindades e, para chegar a escrever algo, deveria passar por enorme processo evolutivo... Talvez, um ritual de passagem!


Movida por este gosto, tudo era motivo para rabiscar: decepções, observações, alegrias, fantasias, tristezas, invenções. Aproveitava todas as brechas para rabiscar: diários, poesias, textos simples, composições para as professoras. Foi assim que “tomei gosto” pela coisa!


Então, por que escrever?


Pergunta interessante.


Percebo que o ato incita, nos que se atrevem a mergulhar nessa aventura, o desejo de marcar presença no mundo; de exercitar as experiências dos ancestrais nas cavernas; de criptografar a alma. Criptografar a alma?! Que imagem estranha me veio à mente.


Não sei se este é o termo correto, mas, com certeza, é o que mais se encaixa nessa reflexão no momento.


Escrever é registrar, no “cartório da vida”: pensamentos inquietos, sentimentos diversos, diálogos do espírito, monólogos e bobagens...


Escrever é exercitar a transcendência, amansar a alma... acalmar a mente!


Escrevo, porque minha alma necessita sair do corpo!


Escrevo, porque a mente é agitada!


Escrevo, para criar universos paralelos e neles viajar...


Escrevo, porque sou humana! Só isso!



Siga Mirian no instagram: @menezesdeoliveiramirian 🧡

199 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo